Publicações

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E A SUPERAÇÃO DA PERSPECTIVA DE PABLO PICASSO

Data de publicação: 20/11/2018

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

 

Pablo Diego José Francisco de Paula Juan Nepomuceno María de los Remedios Cipriano de la Santísima Trinidad Ruiz y Picasso, ou: Pablo Picasso (para os mais práticos). Ele foi uma personalidade de importância tão grande e significativa que podemos nos dar ao luxo de dispensar discorrer da sua vasta biografia e prosseguir com o nosso artigo. Mas um fato curioso sobre este grande artista que sensibiliza muito a nós, profissionais da computação, foi a célebre frase:

“o que os computadores têm de bom? Eles só podem nos dar respostas!”

Quando a frase foi dita há anos atrás, não passava pela cabeça de Picasso, ou de qualquer outro ser humano da época, que estaríamos hoje com esta máxima derrubada e superada com louvor. Sistemas conversando entre si pela nuvem, machine learning, PLN, inteligência artificial e muitos outros artefatos permeiam o nosso dia a dia e muitas vezes nem nos damos conta disso.

Como isso tudo funciona? Onde isto tudo está aplicado? Quais são os próximos passos de toda esta parafernalha tecnológica nas nossas vidas? Vamos falar disso e mais um pouco neste post!

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Aqui entramos em um assunto muito vasto e bastante discutido. A inteligência artificial surgiu logo com os primeiros algoritmos lógicos processados por computadores. Alan Turing, durante a segunda guerra mundial, já lançava mão deste artefato tão falado nos dias de hoje.

A IA (superficialmente falando) é a capacidade de um programa de computador executar uma ação que, se fosse executada por uma pessoa comum, seria considerada uma ação inteligente. Mas este conceito era o que consideravam em meados dos anos 50. Hoje, o entendimento de Inteligência artificial é absurdamente mais amplo. Com a computação moderna e a massificação de dados, os algoritmos inteligentes são capazes de muito mais!

Se no passado a inteligência artificial era capaz de calcular a melhor jogada de xadrez, ou comandar nossos inimigos em um jogo de videogame, hoje ela extrapolou este sentido. Os computadores já são capazes de desenvolver visão computacional, análise de voz, reconhecimento cognitivo de frases, sintetizar voz para respostas humanizadas, só para citar alguns exemplos. É a máquina, cada vez mais, assumindo comportamento humano e produzindo conhecimento.

Sim, com base em acontecimentos, dados e comportamentos, os programas de computador já são capazes de adquirir conhecimento. Aí que frustramos a perspectiva do Pablo Picasso!

MACHINE LEARNING

O aprendizado de máquina é um subcampo da ciência da computação que evoluiu do estudo de reconhecimento de padrões e da teoria do aprendizado computacional em inteligência artificial.

Confuso, não é? Mas o conceito pode melhorar. Diluindo esta sopa de letrinhas, tudo isso quer dizer que o computador pode desenvolver a habilidade de aprender sem ter que obedecer a um comando explícito do programador.

O Machine Learning nasceu do advento da estatística computacional. Este novo artefato associado à inteligência artificial, acabou por criar algoritmos que analisam dados e deduzem a melhor saída para problemas encontrados por ele mesmo em uma massa crítica de dados.

Com isso, algoritmos são capazes de produzir métodos, teorias e domínios de aplicação para o campo da otimização matemática. A JDC Consultoria, por exemplo, tem uma equipe com atuação exclusiva neste tipo de solução, que engloba Machine Learning e Inteligência Artificial. E lá vem “spoiler”: já temos um produto capaz de fazer tudo isso! Mas vamos falar (muito) mais sobre isso em outro artigo, ok?

Alguns exemplos interessantes da aplicação desta metodologia são: filtragem de spam, reconhecimento ótico de caracteres (OCR), processamento de linguagem natural, motores de busca, diagnósticos médicos, bioinformática, reconhecimento de fala, reconhecimento de escrita, visão computacional e locomoção de robôs.

PROCESSAMENTO DE LINGUAGEM NATURAL

O PLN é um subcampo do aprendizado de máquina. A diferença do que foi dito no capítulo anterior para este é que, ao invés de otimizar cálculos matemáticos, o computador é capaz de extrair sentido da linguagem natural humana.

Com isso, o computador é capaz de entender o que uma pessoa fala ou digita e busca na sua base de conhecimento uma solução para o problema que o interlocutor levantou. Já imaginou poder conversar com o seu síndico às 2h da manhã em uma terça feira sem que ele te odeie para o resto da vida? Com inteligência artificial, Machine Learning e PLN já é possível fazer isto!

Uma empresa brasileira que trabalha com software de gestão de condomínios há mais de 20 anos, percebeu que esta poderia ser uma boa solução para seus condôminos. Com isto em mente, procurou a JDC Consultoria e estabeleceu uma parceria para integrar o seu sistema de gestão com os mecanismos de inteligência artificial.

Desta parceria, nasceu a Nina! Nina é a primeira síndica que trabalha com inteligência artificial, Machine Learning e PLN na américa latina. E isso nasceu aqui, em Belo Horizonte, no Brasil!

Empresas grandes da indústria automobilística, bancos e outros segmentos estão indo para o mesmo lado. Vamos expandir o mercado da computação para trabalhar cada vez mais com inteligência artificial e garantir qualidade e cada vez mais conforto para tudo mundo.

Quer conhecer a Nina? Acesse a página da Group Software e saiba mais sobre este produto!

Acho que por essa o Picasso não esperava. Talvez hoje, o mérito da frase dele fosse algo voltado para a sensibilidade artística dos computadores. Quem sabe até onde eles podem chegar, não é mesmo?

Mas, cá entre nós: eu acho que a inteligência artificial está aí para realizar os processos cotidianos que nos afastam do nosso lado mais sensível. Quem sabe daqui a uns anos, os computadores não assumam todas as tarefas pesadas do nosso dia a dia para que possamos nos dedicar a coisas mais sutis, como a arte que nosso mestre Picasso espalhou em vida?

O que achou deste artigo? Se quer saber mais sobre temas parecidos, passe a nos seguir nas redes sociais e fique atento às novidades da JDC!

 

 

Texto escrito por Fernando Guimarães Ferreira.

Fernando Guimarães Ferreira é arquiteto de sistemas com 20 anos de experiência profissional divididos entre desenvolvimento, análise de sistemas, arquitetura de softwares, gestão de times e estima-se que tenha tomado mais de 1000 litros de café durante esta jornada.

Atualmente, gerencia a fábrica de softwares da JDC Consultoria, cria dois cachorros, é músico, casado com uma bailarina (e mesmo assim não sabe dançar direito) e fica escondido em Macacos/MG.

Para seguir o Fernando, autor deste material e professor deste curso, segue o link do perfil do linkedin:

https://www.linkedin.com/in/fernando-ferreira-90494931/

fernando.ferreira@jdcinformatica.com.br

 

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

0 Comentários

Deixe o seu comentário!




Onde Estamos

Avenida Cristóvão Colombo, 400
Segundo Andar - Savassi
Belo Horizonte – Minas Gerais.

Nossas redes sociais

Fale Conosco

+55 (31) 3568-5079

Parceiros